Translate

Pesquisar este blog

terça-feira, 3 de julho de 2012

Três Palavras Poderosas




Outro dia estiva lendo a Bíblia sagrada e me deparei com este texto que nos diz a respeito do apostolo Pedro andando sobre as águas.
“E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me. Mateus 14.29,30”

A principio não dei tanta relevância, mas depois me veio a recordação das palavras de Charles Spurgeon.


 Spurgeon no traz um belo ensinamento e faz uma exortação dizendo que “tempos difíceis são tempos de oração para os servos do Senhor. Pedro negligenciou a oração quando começou sua ousada jornada, mas quando começou a afundar, o perigo fez com que orasse. Seu clamor, embora tardio, não estava tão atrasado assim. Em nossos momentos de dor física e angustia mental, encontramo-nos levados naturalmente a orar como um barco à deriva é levado à praia pelas ondas.”

Spurgeon foi muito categórico quando disse que Pedro negligenciou a oração, e só pensou em orar quando viu que começara afundar.

“Como as raposas correm para a sua toca a fim de se proteger e os pássaros voam para as florestas em busca de refúgio, o homem aflito corre até o trono de misericórdia em busca de segurança. O grande porto celestial onde encontramos refúgio é a oração. Milhares de navios abatidos pelo mau tempo encontram proteção lá, e quando surge uma tempestade seríamos sábios se nos dirigíssemos para lá a todo vapor.”

Spurgeon enfatiza a necessidade que o homem tem de se achegar a Deus, podemos observar que na hora da tempestade é somente a Ele que devemos recorrer, e quando começamos a afundar é a mão Dele que nos puxa novamente e retorna-nos a terra firme.

  “Orações curtas são longas o bastante. Pedro pronunciou apenas três palavras em sua petição, mas elas formam o suficiente para o seu propósito. Se nossas orações muita das vezes tivessem menos plumas de orgulho e mais asas de humildade, seríamos muito melhores. Palavras eloqüentes são para devoção o que a palha é o trigo.”

  Estamos quase afogados pelas impetuosas águas da aflição? Vamos então elevar nossa alma ao Salvador e descansar confiando que Ele não permitirá que pereçamos. Quando não podemos fazer nada, Jesus pode todas as coisas. Com seu poderoso cuidado ao nosso lado, tudo ficará bem.

Devemos reconhecer que somente Deus é o nosso mantedor, e não somente na hora da angustia, mas que também nos momentos de felicidade possamos orar a Ele e agradecê-lo por tudo que nos tem feito.

Que Deus abençoe a todos em Cristo Jesus!

Pr.M Douglas Scheffel Jr

0 comentários: