Translate

Pesquisar este blog

Devocional

Todas as manhãs os colaboradores do IBADEP fazem o período devocional.

REQUERIMENTO DE CERTIFICADO DE CONCLUSÃO

Com conclusão dos estudos do conteúdo programático do curso escolhido, o aluno deverá solicitar ao núcleo o formulário “REQUERIMENTO DE CERTIFICADO DE CONCLUSÃO”, para que possa fazer a solicitação de seu documento de conclusão do curso.

EBI

Com a finalidade de transmitir os conceitos e ensinamentos Bíblicos, a EBI (Escola Bíblica Internacional Ibadepiana), terá como referência o seguinte tema: " A doutrina Assembleiana, com base nas escrituras."

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Alunos de escola cristã são proibidos de orar antes das refeições.

Alunos de escola cristã são proibidos de orar antes das refeições.

Um jardim de infância cristão em Umea, Suécia, está proibido de ensinar as crianças a fazerem orações antes das refeições e de oferecer classes bíblicas pois isso violaria a “Lei de Educação” do país. A legislação proíbe as instituições de ensino de incorporar “elementos confessionais” durante o horário das aulas e também dá o direito de as crianças não participarem de atividades religiosas. 
A pré-escola, que é administrada pela igreja Exército da Salvação, foi acusada de não oferecer aos alunos a escolha de não participar das atividades consideradas religiosas.
A diretora Britt Marie Mårtensson reconheceu que a Lei de Educação “pode ser interpretada de maneiras diferentes”, mas que a escola não entendia que dar graças a Deus pelos alimentos fosse considerado parte do período de aula. 
“Como uma atividade confessional, acreditávamos que fazer uma oração era algo agradável antes das refeições”, revela. “Nossa interpretação da lei difere da do município”.
Os professores da escola expressaram sua decepção em cortar a oração da programação diária da escola. Agora, as crianças dizem uma rima e agradecem pelo sol, pela chuva ou algo de sua escolha antes de comerem, mas sem tocar no nome de Deus. Com informações Christian Headlines
Fonte:www.gospelprime.com.br

terça-feira, 27 de junho de 2017

Porta dos Fundos é processado em R$ 5 milhões por sátira aos cristãos.

Porta dos Fundos é processado em R$ 5 milhões por sátira aos cristãos.

O canal Porta dos Fundos costumeiramente faz vídeos ridicularizando os cristãos e personagens bíblicos. No passado, foi inclusive processado por líderes evangélicos por esse motivo, mas acabaram ganhando na justiça, sob alegação que fazem valer sua “liberdade de expressão”. 
Contudo, também há previsão legal no Brasil contra o vilipêndio da fé alheia. Ciente disso, o Centro Dom Bosco, uma associação católica do Rio de Janeiro, está pedindo indenização de R$ 5 milhões.
O Dom Bosco entrou com uma ação na 46a Vara Cível do TJ do Rio, denunciando a publicação do vídeo “O céu católico”, onde Fábio Porchat e Gregório Duvivier (ambos ateus) ridicularizam do conceito de Paraíso.
No esquete, Adolf Hitler está no céu, por que teria pedido perdão na hora da morte enquanto outras pessoas estariam no inferno por terem comido alimentos proibidos e trabalhado em dias “santos”. A piada distorce os textos do Antigo Testamento e também afirma que protestantes não entram no céu. 
O pedido de reparação da associação católica é de R$ 1 para cada visualização no YouTube. Publicado em outubro de 2016, o material já foi visto quase 5 milhões de vezes. Com informações O Globo
Assista:
Fonte:www.gospelprime.com.br

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Ex-gay, pastor defende que é possível abandonar a homossexualidade.

Ex-gay, pastor defende que é possível abandonar a homossexualidade.

Darryl Foster é o fundador e líder do ministério cristão Witness Freedom [Testemunho de Liberdade], voltado para alcançar homens e mulheres que lutam contra a atração por pessoas do mesmo sexo. 
Vindo de uma família pentecostal, que vivia no interior do Texas, ele frequentava a igreja e conhecia a Palavra, mas desde muito novo acreditava que algo estava errado em sua vida.
“Eu tinha essa estranha atração por outros meninos”, relata em um vídeo postado no YouTube onde conta seu testemunho de vida. “Intrinsecamente, eu sabia que aquilo era errado, mas não sabia o que fazer”.
Aos 13 anos, Foster foi molestado sexualmente por um rapaz mais velho, que pertencia à sua igreja. A prática se arrastou por anos e aquilo fez com que ele ficasse ainda mais confuso sobre sua identidade sexual. Seguidamente, conta, ele buscava em Deus as respostas que precisava. 
“Eu ia muito à igreja”, explica. “Eu jejuava, orava, ia até o altar do templo. Fiz quase tudo o que as pessoas da igreja diziam que iria me deixar bem com Deus”.
Mesmo assim, sentia-se sozinho. Até que um dia decidiu contar à liderança da igreja sobre o abuso sexual. Para sua surpresa, ao invés de receber ajuda, acabou sendo culpado por isso. “Aquilo me despedaçou por dentro”, desabafa Darryl.
 
A decepção com seus líderes e com a igreja fez com que o jovem decidisse “sair do armário”.   “Decidi que não tentaria mais ser o que eu acreditava que Deus queria que eu fosse. Decidi me assumir homossexual”, lembra.
Após se formar no ensino médio, ele viveu intensamente a vida na comunidade gay. Foram 11 anos assim. “Eu só queria me divertir e deixei de lado todas aquelas restrições convencionais”, conta.
Aos poucos, percebeu que mesmo indo a muitas festas e tendo diversos parceiros sexuais, continuava lidando com um grande vazio no coração e convivia com depressão e pensamentos suicidas.
Certo dia, enquanto assistia a um filme sobre Jesus e via o sofrimento dele antes da crucificação, Darryl ouviu Deus falar com ele: “Eu fiz tudo isso só por você”.
Seus olhos encheram de lágrimas. Acreditando que estava ouvindo uma mensagem clara de Jesus, ele tomou uma decisão. “Pedi a Deus que me perdoasse. Eu caí de joelhos diante de Deus e comecei a perguntar como Ele podia continuar me amando mesmo sabendo de tudo o que eu fiz”.
Darryl relata que quando se levantou, após muito tempo em oração, era “um novo homem, uma nova criatura. Todas as coisas antigas passaram e minha vida se fez nova naquele dia”, comemora.
Após anos vivendo na prática da homossexualidade, desde 1992 dedica-se a ajudar outros a abandonar o “estilo de vida gay”. Ele acredita que isso é possível e mostra sua própria vida como exemplo. Com informações CBN
Fonte:www.gospelprime.com.br

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Claudio Duarte pede perdão a católicos por tê-los “ofendido”.

Claudio Duarte pede perdão a católicos por tê-los “ofendido”.

O pastor Claudio Duarte foi alvo de uma campanha de católicos na internet contra ele. Muitos deles acham que o líder evangélico estimulou o “falso ecumenismo” ao pregar “contra Maria” dentro da Paróquia Nossa Senhora Rainha, de Belo Horizonte. 
Diferentes páginas católicas nas redes sociais reproduziram o vídeo e pedem que o pastor não seja mais convidado para falar em igrejas católicas, por “respeito a Maria”.
O site Fides Press reclama que “Existe uma profunda desorientação na Igreja. Os nossos pastores (padres e bispos) resolveram por fogo na sacristia e os fiéis? Ahh, esses que inalem as fumaças da confusão de Satanás enquanto riem das baboseiras dos “Omoristas” do evangelho.”
Devido à repercussão negativa, o pastor Cláudio decidiu gravar um vídeo pedindo desculpas aos católicos. No material, que tem cerca de um minuto, ele afirma ter feito “uma brincadeira que não devia” e ter criado “uma situação desagradável para a fé de pessoas que me respeitam”. 
Mesmo deixando claro que tem os “seus valores” dos quais não abriria mão, eles não faziam dele “alguém mal-educado”. Reiterou que não devia “ter falado da maneira como falei”.
Lamentando o ocorrido, assegurou que foi “tolo” e que fez uma brincadeira que não devia. Reiterou seu respeito à comunidade católica. “Temos posicionamentos diferentes, mas isso não nos impedem de caminhar próximos”, garantiu. Encerrou pedindo perdão aos católicos.
 
Assista:
fonte:www.gospelprime.com.br

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Aluna é proibida de agradecer a Jesus em discurso de formatura.

Aluna é proibida de agradecer a Jesus em discurso de formatura.

Uma aluna cristã chamou atenção da mídia na semana passada após ser proibida pela direção de sua escola de agradecer a Jesus em seu discurso de formatura. O First Liberty Institute, ONG jurídica que está representando a menina. O texto escrito por ela, que foi eleita porta-voz da turma, passou por uma censura prévia, onde foram apagadas todas as menções a Deus.
A atitude de Moriah Bridges foi corajosa. Ela desafiou os administradores, mesmo sendo ameaçada de sanções e fez o discurso na íntegra, diante de seus colegas, professores e os pais presentes na cerimônia de formatura.
Segundo o The Blaze, a jovem estudante da Beaver High School, havia escrito originalmente uma oração de agradecimento, onde ela usava termos como “Pai celestial” e “Senhor”.
Contudo, a superintendente escolar, Carrie Row determinou que fossem eliminadas “referências religiosas”. Moriah concordou em reescrever o texto, mas disse que não se sentia bem em ter de negar a sua fé. 
Na hora de representar sua turma, no entanto, ela disse que encontrou coragem e encerrou o discurso dizendo: “Sempre segui as regras. Quando disseram para não mascar chiclete em aula, eu não masquei. Quando disseram para não usar o celular, eu não usei o meu celular. Mas hoje, vou desafiar as expectativas e talvez pela última vez nesta escola, “em falo no nome justo de Jesus Cristo, Amém”.
Este é o segundo caso divulgado recentemente de alunos que são proibidos de expressar sua fé em nome da laicidade do Estado. 
O adolescente Seth Clark, de 13 anos, seria o orador de sua turma na colação de grau de Ensino Fundamental de Akin, no estado de Illionois.
Ele faria um discurso com menções à Jesus, sua igreja, a prática do perdão como lições para todos os alunos, mas a direção da escola o proibiu de ler o que havia escrito. De modo similar a Moriah Bridges, ele não negou a sua fé.
Assista:

fonte:www.gospelprime.com.br